segunda-feira, 26 de maio de 2008

Efeito da condenação

Ex-deputado Roberto Filho terá
direitos políticos suspensos
Como era esperado, o ex-deputado Roberto Filho e o seu filho, o suplente de deputado federal Bebeto Filho, foram condenados a seis anos e meio de reclusão em regime semi-aberto.

A decisão da juíza Denise Bonfim também atingiu a esposa de Filho, a ex-vereadora Lenice Barros, que sofreu a condenação de três anos. A pena da mulher será cumprida em liberdade.

O trio foi acusado de tocar fogo na própria casa para receber o seguro de R$ 1 milhão. O crime ocorreu logo após as eleições de 2006, quando pai e filho sairam derrotados. Como a perícia apontou indícios de incêndio criminoso, o perito passou a ser perseguido e ameaçado de morte.

Mas, além da condenação, Roberto Filho e Bebeto Júnior terão prejuízos políticos.

Após o trânsito em julgado, o Tribunal Regional Eleitoral será informado que os direitos políticos da dupla serão suspensos. A decisão tem amparo no artigo 15º da Constituição da República.

Filho é o primeiro suplente de deputado estadual da Frente Popular do Acre, mas terá problemas para assumir, caso algum deputado necessite se afastar.

O ex-deputado não é pessoa benquista pela maioria dos parlamentares, porque também foi acusado de tentar intimidar os deputados Elson Santiago (PMN), Ney Amorim (PT) e Josemir Anute (PR), todos da mesma coligação.

Essas acusações, certamente, influenciaram na decisão da juíza Denise Bonfim. Ela disse que o ex-deputado, apesar de ser réu primário, não é possuidor de bons antecedentes. Segundo a magistrada, Filho não tem atenuantes, agravantes, nem causas de diminuição de pena a serem consideradas.

Essa é a primeira condenação de outras que podem vir. Roberto Filho e Bebeto Júnior também foram presos sob a acusação de contratarem pistoleiro, o presidiário Werneck Wolter, para matar o juiz Clóves Cabral, a promotora Alessandra Marques e o então suplente de deputado Josemir Anute (PR).

Os membros do Ministério Público Estadual chegaram a anunciar que tinham fita comprovando a acusação. Está na hora de mostrar.

Por telefone, o advogado Sanderson Moura adiantou que irá recorrer da sentença. Ele falou com o colunista quando estava em Cruzeiro do Sul e iria para Tarauacá de carro.


Leia a sentença da juiza Denise Bonfim aqui.

Um comentário:

Charles Batista disse...

trânsito mata pessoas em rio branco e o processo de formação do condutor no ACre é um modelo arcaico, ultrapassado...
se vc achar interessante podemos falar mais sobre esse processo de formação do futuro motorista no acre,sou Instrutor e trabalhei como examinador no detran e hoje sou presidente do sindicato dos Instrutores de Trânsito do Acre, tenho um bom conhecimento do assunto se vc tiver interesse podemos trocar idéia, é polêmico, mas é necessário..o trânsito mata e se depender do poder público vai continuar matando...